Pesquisar no Blogue

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Espelhos

(Velázquez)


Caminhava apressada, com um saco pardo na mão. Conhecia de cor todos os recantos de velharias da cidade, todas as feiras da região...e procurava-os meticulosamente. Toda a manhã se afadigava num entra e sai, discreto mas eficaz.
Ao entardecer, quando nada nem ninguém, poderia reflectir, regressava a casa. Subia a quatro e quatro, os degraus que a conduziam à única assoalhada que ainda poderia abrigar uma réstia de  luz, e mirava-se. Não...não seria ainda desta vez. Não pelo cabelo desalinhado, pelo rosto cansado, pelos ombros que teimavam em nunca aparecer, pela memória mostrada de esguelha...
Chamavam-lhe a mulher dos espelhos.
Nunca ninguém soube o que procurava, nos muitos e muitos espelhos que armazenava. Só se sabia uma coisa: comparava incessantemente a nitidez. 


2 comentários:

  1. Talvez procurasse espaço, George, ou a ilusão dele. Conheço alguns «amigos» de espelhos, todos eles muito longe de ser narcisos. ;-D

    ResponderEliminar
  2. Podia procurar muita coisa Luísa. Depende do observador. É uma personagem em "construção". Obrigada pela visita e pelo comentário. É sempre um estímulo para uma novata nestas andanças da bloga

    ResponderEliminar