Pesquisar no Blogue

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Memória em viagem



As portas do comboio abriram-se. Não sei exactamente como nem porquê. Muito menos para onde.  Entrei. Limitei-me a entrar.
Segui o corredor. Sempre  a direito, sem vacilar. Nem os balanços, me fizeram vacilar.
Passei as portas todas.  De um para outro vagão, desertos de coisa alguma. Estanquei na última, já a debruçar-se pelo horizonte.
E sentei-me. De frente para o passado, que rodava num entusiasmo frenético, um balanço, um balanço…
Sem querer saber,  adormeci.
O sonho não o vivi . Ou não me lembro, não sei.
Quando acordei, encarei de frente o mesmo cenário. E foi então que percebi. A viagem estava ali  à  minha frente.
Feita de passos dados, de sorrisos sorridos, de gentes que nunca voltam.
Sentada ao meu lado, aconchegada entre o vidro dessa última janela, na derradeira carruagem, viajava de branco…
Perguntei-lhe o nome.
Disse-me chamar-se memória...

(a fotografia é do fotógrafo Mário Castello)

7 comentários:

  1. «Com esta escrita descobri uma coisa em que nunca tinha pensado, é que o bem mais precioso do homem é a memória.»
    José Cardoso Pires

    Descobri recentemente a exactidão desta frase, pelo que é assustador uma memória em branco. Se bem que o branco reflecte todas os raios e é a junção de todas as cores, logo terá viajado muito bem acompanhada.

    ResponderEliminar
  2. Again, very nice and so poetic...a bit neurastenic...but though excellent

    ResponderEliminar
  3. VMM Souza,

    Uma viagem ao passado, de memória errante e em branco. por isso soa assim. Obrigada

    Paulo A.L,

    Uma memória em branco e os carris cruzados.(da fotografia).
    Obrigada

    ResponderEliminar
  4. George Sand,
    Fluir entre os vidros do comboio e a presença estática das linhas cruzadas resulta em memórias lentas e vagas.

    ResponderEliminar
  5. Ana,
    Gostei muito dessa leitura.Os carris cruzados foram propositadas.

    ResponderEliminar
  6. bela prosa; ainda bem, revela a calma de espírito, pelo menos do espírito da memória.

    abraço

    ResponderEliminar
  7. Obrigada João.
    Espírito da memória...bela frase!

    ResponderEliminar