Pesquisar no Blogue

sábado, 5 de novembro de 2011

Destinos de vento


Nunca mais quero que o vento me afague.
Nunca mais.
O vento sopra destinos ingratos
Em sílabas desconsertadas,
quase sempre na direcção errada.
A tónica passa ao lado,
Do meu movimento menos que perpétuo.
E eu,
Eu, só me sinto a sufocar.


(a fotografia é do fotógrafo Mário Castello )

4 comentários:

  1. O vento também pode trazer boas novas e levar as tristezas para longe...Pode trazer o aroma do café da casa ao lado e só por isso apaziguar as inquietações. Esse vento do poema só pode estar desorientado...

    ResponderEliminar
  2. Claro que pode Luisa e é isso que faz a maioria das vezes. Retratos bocados de realidades. De personagens. Só isso.

    ResponderEliminar
  3. Filipa,

    Lindo!
    E como diz o ditado: " Só há bons ventos para quem sabe a direção."
    Beijinhos

    Lucia

    ResponderEliminar
  4. Obrigada Lucia.
    Bons ventos, para si também.

    ResponderEliminar