Pesquisar no Blogue

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Escreve Desalmadamente

Desarruma as palavras. Alinhava desenlaces, nas curvas da imaginação.
Ontem nasceste poeta. Hoje cronista.
Amanhã  serás, certamente, e de novo, contador de histórias. Dessas que só se encontram dobradas em mil, nos cantos da memória.

Nas mãos debruças silêncios e palavras. Escorregam-te sílabas pelo antebraço...que não seguras. A não ser no último instante, entre o polegar da brevidade de uma contracção e o indicador, propositadamente operante.
Ofegante de sílabas e ainda e suspenso de parágrafos. Inacabados, na angústia do peso certo e do lugar certeiro.
Não há lágrimas no teclado. Risos contidos em suporte de caractéres, senão estes,  desalinhados...
Mas é mesmo assim...Anda...escreve
Não tenhas pena do que não encontras, nesses caminhos intrincados das coisas que se querem contar
Não te rendas!
Escreve sempre: eterna e desalmadamente.



6 comentários:

  1. Caneta,polegar,indicador e a mente que os governa... que integra, sem sombra de dúvidas,o grupo de pessoas que F.Espanca identifica e caracteriza tão bem:

    Ser poeta...

    É ter de mil desejos o esplendor
    É não saber sequer que se deseja!
    É ter cá dentro um astro que flameja,
    É ter garras e asas de condor!

    O teclado, esse, é irrelevante...

    ResponderEliminar
  2. Olinda,

    É sempre bom recordar a Florbela. Ela, que era uma poetisa. E esses versos, ligados para sempre aos trovante :)

    Obrigada VMM de Souza. Isto da escrita é um apelo que se deve ir construindo.

    ResponderEliminar
  3. George Sand,
    Que Beleza!

    Adorei sobremaneira este texto, do fundo do coração e da mente racional.

    Boa noite e obrigada!:)

    ResponderEliminar
  4. Que bom... apanhar um pouco desta escrita torrencial .)

    ResponderEliminar