Pesquisar no Blogue

domingo, 11 de setembro de 2011

Janela


Debruço-me na varanda,
de costas para a janela.
Não encontro o luar...
Nem o poderia encontrar.

O sol põe-se de frente.
A lua abraça o poente,
E partem,
Para dançar.

9 comentários:

  1. Parabéns George Sand,
    Pelo poema e pela janela, duas belas alianças.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Ana. Não chega a ser um poema...um pensamento, talvez.:)

    ResponderEliminar
  3. Gosto desta janela.
    Gosto também do foco de luz que se vê...é do sol poente ou da lua. Ou dos dois? Deu-me que pensar...

    :)

    Olinda

    ResponderEliminar
  4. Obrigada Daniel.

    Olinda, é do sol e da minha azelhice :). Eu bem me esforço...mas a fotografia não é o meu forte.

    ResponderEliminar
  5. Muito bom! A escrita a evoluir. Forte na sua simplicidade. "Partem para dançar"... A dar corpo à palavra e asas à imaginação...

    ResponderEliminar
  6. Obrigada Luís.
    É uma escrita repentista, simples e não pretende ser mais do que isso.

    ResponderEliminar
  7. A(s) imagem(ns) e os sons de outra "janela", algures na Calçada da Estrela no final da década de 90...

    http://www.youtube.com/watch?v=l2XeEuLPJec

    ResponderEliminar