Pesquisar no Blogue

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Ano Europeu do Voluntariado



Para muitos, a passar, completamente despercebido, 2011 é o Ano Europeu do Voluntariado.
Uma "efeméride" que pouco ou nada acrescenta ao trabalho dos milhares de voluntários que todos os dias contribuem para fazer a diferença.
Mas, que pode ser uma chamada de atenção, para quem nunca experimentou.

O voluntariado não é sempre complicado, exigente, ou muito "duro". A requerer experiência e traquejo. Há-os que o são, é certo. Mas também pode ser, aquilo que se quiser e puder. À medida das possibilidades de cada um.

Embora não, ainda , tão organizado como noutros países, o voluntariado em Portugal, já fez muito caminho. E, oferece escolhas...para os que não tiverem medo de arriscar. É que depois, uma vez voluntário, é difícil, parar. Cria dependência. Uma dependência saudável, que nos ajuda a relativizar os problemas e a olhar a vida, com mais apreço.

Só há uma regra de ouro: recebe-se infinitamente mais do que aquilo que se conseguirá algum dia dar!

11 comentários:

  1. Começo a ficar seriamente preocupado...
    Faltou apenas um apelo no final do video: "Não consuma, não será mais feliz por isso!"
    Mas gosto da faceta não consumista.
    Quanto ao voluntariado, confesso que para mim é uma "zona cinzenta", soa-me sempre a exploração da boa vontade... Mas nos moldes certos sem dúvida uma mais valia na sociedade.

    ResponderEliminar
  2. Uma excelente chamada de atenção, George Sand!

    Em Fevereiro fiz um post sobre o Voluntariado com o título 'Festa de Afectos', na senda do programa 'Sociedade Civil', da RTP2.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Meu Deus, Joshua Bell e o seu Violino, é de nos tirar o fôlego!

    E o video reflecte sobremaneira a vida dos nossos dias...

    Olinda

    ResponderEliminar
  4. Olinda,

    Bell e o seu vioino a fazer-nos repensar que raio de sociedade esta.O voluntariado, porque sim.

    Tiago,

    Não sou uma pessoa demasiado consumista.(consumistas somos todos!)
    Quanto ao voluntariado ser uma forma de exploração da boa vontade...conhece o emprego de "amparador de lágrimas" ou "retemperador de sofrimento"? É que garanto-lhe, que tudo isso e, também o desespero, existem.

    ResponderEliminar
  5. George Sand,
    Deixou-me sem palavras. Que bela expressão o "amparador de lágrimas".
    Nunca fiz voluntariado porque não tenho tido tempo disponível mas gostaria de ter essa partilha - receber mais do que dar.
    Já pensei ir para África mas a vida não deixa (profissão, família, etc.). Todavia é um desejo que acalento e um dia terei que o enfrentar.

    ResponderEliminar
  6. Ana,

    Acho sempre muito engraçado quando as pessoas pensam em voluntariado nesses termos: missões humanitárias extraordinárias...África! Um amigo um dia respondeu à mulher, que palmeiras havia a rodos a cada rotunda e tristeza e pobreza a cada esquina (sem o mesmo glamour do Árica minha, claro está)

    O Jovem pároco aqui do bairro, ficou estarrecido quando em vez de um belo projecto nas missões,o Bispo o destacou para a missa:)

    Muitas vezes o voluntariado pode estar ao lado...não sei se mora numa grande cidade. Se morar, fica a informação: Há centenas de pessoas a viver em andares altos, sem elevador, que não vêm à rua...há anos. Recebem a visita da segurança social...e dos voluntários. Basta subir uma escada, algures, perto de si.
    Mas já sabe. Estranha-se e depois entranha-se...:)Bj

    ResponderEliminar
  7. Para ir vendo Ana:

    http://www.bolsadovoluntariado.pt/ (nem sempre muito actualizado, mas dá uma ideia.

    Já está em marcha o "volunterbook", no seu mural de facebook

    ResponderEliminar
  8. George Sand,
    Muito obrigada. Tem razão ao nosso lado existe essa possibilidade de ajuda. África, mais propriamente Moçambique, era um país que gostava de conhecer e servia para medir os meus limites. Mas porque não ao nosso lado?

    Vivo em Coimbra, isto é, deixei a cidade mas vivo próximo dela.
    Vou espreitar o endereço.
    Se passar por Coimbra, terei gosto em a levar a um sítio bonito para tomarmos um chá. :)

    ResponderEliminar
  9. Combinado Ana. Um chá nas margens do Mondego. Obrigada.

    ResponderEliminar
  10. E às vezes a necessidade de ajuda está tão perto, na família, num amigo...

    ResponderEliminar
  11. Pois está João. Infelizmente, não é preciso cansarmo-nos muito a procurar.

    ResponderEliminar