sábado, 20 de novembro de 2010

fazer anos

Deixei numa caixa de comentários,ao fim da noite,para um anónimo que podia ser a minha amiga G. Essa não teve tempo de ontem fazer anos. talvez escrecreva sobre isso, sobre o tempo que temos, o tempo que não temos e o facto do dia ter sempre 24 horas.
O meu avô perante esta correria em que tornamos as nossas vidas dizia:
Correm para o caixão e nem sequer percebem...

Hoje corro a pegar nos cães, a calçar umas botas e subir pelas fragas. Talvez consiga ver os esquilos.



Fazer anos é somar sabores.
Reinventar mais vinte e quatro horas,
E adormecer outra vez.

Faz-se anos assim que se nasce.
Esses são de esperança,
De sufoco, de gritos e de lágrimas.
Fazem-se anos devagar, ao ritmo da infância, entre gargalhadas de sol e gomos de tangerinas.
Depois, anos de crescer depressa, para alcançar…outros anos.
Anos de trabalho, de esforço, de construção.
Um dia fazem-se anos sem quase se dar por isso,
São os que passam depressa demais.
Aprende-se a fazer anos com o tempo e com a vida.
Também se aprende com os bolos de chocolate e o cheiro a cera das velas ardidas.
Por isso é que se somam sempre sabores aos anos,
E ritmos diferentes, e cores variadas.
Há anos a cinzento, anos a azul, anos de todas as cores e anos só a preto e branco.
Anos de muita chuva lá fora e risos cá dentro. E outros, só de sol ameno.
Também há anos parados, encruzilhados e esquecidos.
Há aqueles que valeram tanto a pena…
E os outros que não sabemos muito bem para o que serviram.
Há anos em que sorrimos para a fotografia,
E outros em que nos rimos tanto que nos esquecemos das fotografias.
Há anos doces como o mel, outros com pouco sal, outros azedos mesmo.
Há anos em que mandamos nós. Outros, o que nos vai acontecendo
Mas que sejam sempre e sobretudo anos felizes.

George. Sand

Sem comentários:

Publicar um comentário