Pesquisar no Blogue

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Bolas de Sabão

Experimentou...apesar de toda a gente lhe dizer que era feito de sabonete, sair à rua num dia de chuva, Não derreteu mais do que o necessário para escorregar o silêncio no alcatrão. Foi só isso que aconteceu: escorregou o silêncio no alcatrão. Mas ao contrário do que se previa, não se desfez.
Mal chegou a casa, despiu a gabardina, descalçou os sapatos e começou então a chorar. As lágrimas correram céleres e deixaram um rasto de bolas de sabão, que pouco a pouco lhe foi desfazendo as ideias…


6 comentários:

  1. Adoro bolas de sabão!
    Quem não gosta das cores das bolas de sabão!?
    Quem não lembra, e conserva a recordação das bolas de sabão da sua infância!?
    Hoje gosto de fazer bolas de sabão, fotografar
    e publicar.
    Há muito que não publico bolas de sabão... vou publicar agora no meu Blogue "A minha maneira de ver". Se gostar, pode levar...
    A Luz A Sombra

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do seu texto.
    O efémero das bolas de sabão encanta, as lágrimas céleres que desfazem as ideias são uma bela metáfora!
    :)

    ResponderEliminar
  3. A Luz a Sombra:

    Também gosto muito de fotografia. Ainda não me aventurei foi muito por eses domínios. Obrigada pela oferta. Se publicar será com autorização e referência uma vez que são fotografias de autor.

    ResponderEliminar
  4. :-)
    Também eu gosto de bolas de sabão, embora imagine estas a que se refere como sendo aquelas pequeninas, da espuma...

    ResponderEliminar
  5. Podem-se imaginar do tamanho que se quiser Gi. essa é uma das vantagens das bolas de sabão ao correr da imaginação.

    ResponderEliminar