Pesquisar no Blogue

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Trans-pareces-me



Escreveste...
Escrevi!
A traços negros, a pousarem-te os olhos nas curvas apressadas do meu corpo.
Vertigem descompassada de um beijo surpreso e, rodado nos lábios. Firmemente rodado,  numa vertigem.
Escreveste mesmo...
Escrevi!
E os teus olhos,  a obrigarem-me a desejar sequer ter escrito.
Uma página a menos, agora invertidamente carimbada, no lençol debaixo, da minha e da tua existência. Faria diferença? Faria assim tanta diferença?
-Quantas sílabas escreveste tu?
Duas, apenas. Uma para te dizer que sim. Outra para te fazer esquecer...

Nunca tinha visto esse pássaro que transportava no bico uma borracha. Aproximou-se do parapeito e pouco a pouco, retirou a tinta de todas as penas.
Antes de partir, deixou cair a borracha. Não haveria mais cores, nem mais assombros.
Nenhuma paisagem desalinhada no horizonte da nossa memória.
Levantou voo sem ruído e, levou consigo, toda a tua transparência.

14 comentários:

  1. Hoje estou a conseguir comentar.
    Depois de ler mais este seu texto, deixe-me tentar adivinhar uma coisa - é fã de Garcia Marquez, provavelmente o seu autor favorito.
    Acertei?

    ResponderEliminar
  2. Pedro Coimbra,

    Hoje a coisa vai...mas também tenho dificuldades muitas vezes Pedro. Este Blogger não nos facilita sempre a vida
    Gosto do Garcia Marquez sim, mas não posso dizer que seja o meu autor favorito.
    É difícil falar num autor favorito...mas nessa "esfera" escolheria Vargas Lhosa. Ou,a poesia de Benedetti e de Jorge Luis Borges. E algumas coisa de Garcia Marquez evidentemente. Tem dias...:)

    ResponderEliminar
  3. Pois é, a transparência desassombra. Mas será que afasta, que desinteressa? Responda-me, Filipa. O enigmático e bonito texto é todo seu.

    Jorge Luís Borges, sempre.

    ResponderEliminar
  4. O ego e o alter ego num diálogo brilhante e lúcido.
    O querer e o não querer lindamente tratados...!

    ResponderEliminar
  5. Paulo A L,

    A transparência pode ser como um vestido d'alma. Há transparências que afastam. Outras, que nos procuram e, nos fazem chamar um bando de estranhos pássaros, que desvendam silêncios e palavras.
    Tudo o que eu publico, sem referência bibliográfica é meu, sim.
    Borges: siempre! :)


    mfc,

    Uma abordagem psicológica, sim. Ego e alter Ego,nas margens da memória.
    Obrigada

    ResponderEliminar
  6. Nem todos os pássaros são de cristal

    para nos fazer voar
    num diálogo de penas

    Belo texto
    Bj

    ResponderEliminar
  7. Uma escrita em busca da transparência...
    Muito bom!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  8. Gostaria por vezes de ter a habilidade desse pássaro :)

    ResponderEliminar
  9. Mar Arável,

    (este pseudónimo lembra-me sempre um quadro de Van Gogh...em pinceladas de azul e movimentos de girassol)
    Bom que voemos num diálogo interior, Obrigada

    AC,

    Uma escrita em busca de transparência e uma transparência, que se desvenda em palavras.
    Obrigada

    Luísa,

    Era não era? Para isso servem as palavras: para nos fazerem voar... :)

    ResponderEliminar
  10. George Sand,
    Muito bela esta transparência. Parabéns!
    :)

    ResponderEliminar
  11. Obrigada Daniel

    Ana,

    Obrigada. Ainda bem que gostou

    ResponderEliminar
  12. Um registo fantástico, numa dualidade cheia de cumplicidades. Um Xi Filipa.

    ResponderEliminar
  13. Obrigada Cândida.
    Vamos lá ver se saem cartas...Bj

    ResponderEliminar