Pesquisar no Blogue

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Olhó Pastel - Tiro ao Álvaro (dois)




  
Qualquer pessoa normal sabia de antemão que a solução desta crise estava aí...doce como o mel e ao virar da esquina.
É a chamada política de tiro ao Álvaro, desta vez, com carabina de canos cerrados e em carreira de tiro de... "natas"!.
O ministro só se esqueceu do chamado plano B...que neste caso podiam ser as queijadas de Sintra, no caso das natas não pegarem.
 Aqui vai e mãos à obra!

 Pastel de Nata
 1) uma versão  (aqui no livro há pelo menos duas)
Para a massa
farinha 250 g
manteiga 125
banha 75g  as porcarias que nós comemos sem saber...
sal 1 colher de café

Peneira-se a farinha, o sal e amassa-se com água, que se deixa descansar. Nada de pressas...a crise pode esperar e não vale comprar a massa no pingo...pois.
Estende-se a massa com o rolo da massa ( esse companheiro fiel, ora desaparecido e agora recuperado em tempos de penúria. Venha ele!).
Estende-se a massa e faz-se um quadrado que se barra com metade da banha e metade da manteiga...mas não havia manteiga...
Dobra-se ao meio, põe-se em cima de uma tábua e mete-se no frigorífico durante 10 minutos. (nem dá para arrefecer).
Torna-se a estender, barra-se com o resto das gorduras e faz-se um rolo de salame( ? )
Corta-se em 24 pedaços iguais, para dar para o ano inteiro, presumo. E,  mete-se cada um dentro de uma forminha. Volta para o frigorífico a descansar mais 10 minutos. Isto é que é descanso...cada vez que dá um passo, a massa precisa de descansar...

Tira-se a massa (toda, de preferência, que já enjoa) do frigorífico e molda-se com os dedos de forma  ficar fina no fundo e menos fina não sei bem onde, na forminha.


O recheio
nata 1/2 l
Gemas, 8
Açúcar 150
farinha 10g

Desfazem-se as coisas aos pares: a farinha com as natas. As gemas com o açúcar. (se fizer grumos mete-se a varinha mágica da sopa que ninguém nota e, afinal somos portugueses...temos que desenrascar isto...)
Leva-se ao lume até quase levantar fervura  mas sem lá chegar. Uma espécie de chove-que-não-molha da culinária (o que neste ponto já me parece quase impraticável...).
Vaza-se nas forminhas a massa (estou a reproduzir, fielmente, mas acho que a saturação já varreu a cozinha e a paciência e, parece-me que queriam dizer o recheio) até 3/4 das forminhas e, tendo cuidado para não sujar as beiras de massa (desta vez está certo) com o creme (esta parte é importante que a ASAE anda em cima).
Coze-se tudo em forno muito quente.(eu diria tórrido!) e antes de servir, polvilham-se com acúcar em pó e canela.

(há mais uma versão. Quando acabarem esta digam)

A receita foi tirada de um livro velhinho uma vez que eu ainda não aderi à nova culinária. De qualquer das formas vou imediatamente patentear a ideia, para um título a sugerir brevemente: "A crise enfim... debelada!" (que é como quem diz, desnatada).
Sugere-se que se acompanhe com a música acima

Guten appetit


Nota: Nada deste processo salvífico, contempla, a bimba da Bimby. E, muito menos, por todos os motivos e mais alguns, os congelado do pingo doce.
Este é possivelmente o primeiro, último e único post de cozinha deste blogue, pelo que é para saborear bem.

15 comentários:

  1. É bom não esquecer que podemos ainda franchisar os ceguinhos às esquinas a tocar acordeão!

    ResponderEliminar
  2. Adoro essa música Filipa.
    Beijinhos

    Lucia

    ResponderEliminar
  3. Completando o comentário anterior

    Fico a saborear... o regresso do Alvaro ao Canadá.

    beijo :)

    ResponderEliminar
  4. Este senhor tem-se revelado la crème de la crème, the top of the tops, lo mejor de lo mejor, a cereja do bolo. E a autora do blogue esconde nitidamente um humor acutilante e desconcertante...! :-)

    ResponderEliminar
  5. Obrigada Lucia. Mas espero que também goste de pastelzinho de nata. Bj

    AC,

    O regresso do Álvaro ao Canadá...para uma pós graduação em pastelaria aplicada presumo :)

    Paulo,

    Não sei bem se é uma cereja se uma ginja...mas lá que se vai decorando tudo quanto é bolo, disso já não restam dúvidas.
    Obrigada :)

    ResponderEliminar
  6. George Sand,
    Eu não me atrevo a fazer a receita porque parece difícil. Quanto a enviar o Álvaro para o Canadá nessa estou apta a fazê-lo. :))))

    Extraordinário, beijinho e guten apetit! :)

    ResponderEliminar
  7. Ana,

    Que não seja por isso...a receita simplifica-se :)
    Bj

    ResponderEliminar
  8. Agora que parece que já posso comentar, deixo uma nota curiosa - sabia que havia aqui um tipo (já morreu) que fez fortuna a copiar o pastel de nata?
    E que vem gente de todo o lado para comer as natas falsas do Lord Stows?
    Ora digam lá que o Álvaro não sabe das coisas!!
    Boa semana

    ResponderEliminar
  9. Pedro Coimbra,

    Eu sabia Pedro. Faziam fila que virava a esquina e não é caso único.
    Parece-me que o Álvaro, tem mas é que promover as queijadinhas de Sintra...
    Uma boa semana também

    ResponderEliminar
  10. ADORO pastéis de nata! Mas não vou arriscar fazer a receita, hehehe :)

    ResponderEliminar
  11. Hugo de Macedo,

    Nem pela pátria?...trata-se de uma missão patriótica.

    ResponderEliminar
  12. não resisto a tão saborosa frechada no Álvaro...
    vou colocar o vídeo no "relogiodependulo"

    espero que não te importes.

    beijo

    ResponderEliminar
  13. Claro Heretico.
    O Álvaro vai ficar fantástico no "relógiodependulo". Quem sabe, até nos dá mais um ou dois motivos para mais umas "frechadas".

    ResponderEliminar