Pesquisar no Blogue

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Valsa de Natal em chão de estrelas e caravelas




Não foi fácil. Todo o mês de Dezembro a intercalar caravelas e estrelas, numa geometria perfeita. E o vento frio, a roubar-lhe o rumo à imaginação.
Os dias só de estrelas  eram simples. Bastava-lhe olhar o céu e, acomodar-lhes os sorrisos trémulos, na calçada.
Mas se era preciso mais uma caravela... o basalto duro, teimava sempre em  navegar para lá dos limites impostos pela branda condescendência do calcário... por mais que se esforçasse.
E o velame, a desfraldar-se, por entre os passos, de quem seguia.

Começou no cimo da Avenida. Era mais fácil descer as costas doridas, a contar os passos, a espaços.
Sabia que teria de estar tudo pronto no final dessa tarde. Uma tarde que lhe pareceu igual às outras, semeada de saltos de todos os tamanhos.
Terminou como sempre, com a sua assinatura de calceteiro. E, preparou-se para partir.
Não  teve  sequer tempo de dobrar a esquina...os poucos que passavam àquela hora, saltitavam já, entre as estrelas que entoavam os primeiros acordes de Strauss, ao simples contacto dos pés. E, as caravelas, embaladas em movimentos contínuos de Brahms.
Abriram-se as janelas e as portadas.
Nunca antes a Calçada Portuguesa se entornara assim, de música...
E foi vê-los dançar pela madrugada, numa valsa de calda de açúcar, de um pequeno sonho...de Natal








8 comentários:

  1. A calçada portuguesa inspirou uma valsa...
    Gostei da dança e da inspiração. Bom!

    ResponderEliminar
  2. Uma história linda de alguém que trabalha (quase todos nós...) para que os outros se possam divertir!
    Troquemos-lhes as voltas e ouçamos também Strauss e Brahms...

    ResponderEliminar
  3. Paula Crespo,

    às vezes passo com os olhos no chão e a tentar adivinhar onde está a assinatura.
    Obrigada e Bem-vinda

    mfc,

    Que este tempo de natal e nesta altura tão complicada para tantos de nós, seja também com alguma música.
    Obrigada

    ResponderEliminar
  4. Bonita valsa... a convidar-nos a todos para uma dança mágica, de velas desfraldadas, enfrentando intrépidamente, os medos e as dificuldades. Se nos tempos obscuros e tenebrosos de 500, aqueles homens rudes, incultos, não hesitaram ir mar dentro, penetrando no desconhecido, enfrentando adamastores e vencendo-os, porque não, arriscarmos nós, hoje, desbravar e percorrer caminhos novos?!
    Um Natal Maravilhoso para todos!!!
    ;)

    ResponderEliminar
  5. Bartolomeu,

    É um bocadinho esse espírito que é preciso. E acho que o teríamos, não fosse esta coisa dos "mercados" que parece que dominam tudo e todos. Mas enfim...não naufragaremos certamente e entretanto que se dance.
    Obrigada e um feliz Natal

    ResponderEliminar
  6. Este seu texto acenava-me desde ontem e eu não podia deixar de vir aqui lê-lo antes de mergulhar no frenesim festivo desta quadra... :)

    As caravelas que nos lembram ousadias passadas, a calçada portuguesa que nos convida a procurar as impressões digitais dos que durante horas e horas 'acariciaram' as pedrinhas para os juntarem artisticamente, mau grado as costas doridas.

    Para que o conjunto fosse perfeito o toque das suas palavras e esta música maravilhosa...

    Um Presente de Natal. Obrigada.

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
  7. Olinda,

    Eu é que agradeço.
    Já estamos todos. Especialmente as todas...nesta contagem decrescente. Mas o tempo sobra para trocar-mos palavras e sosn em jeito de presentes de natal.
    (já lá passei)
    Obrigada
    e Feliz Natal

    ResponderEliminar
  8. Um texto pleno de sensibilidade a tentar resgatar as pequenas coisas que são essenciais num puzzle chamado vida.
    Gostei muito.

    Um Feliz Natal!

    Beijo :)

    ResponderEliminar