Pesquisar no Blogue

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Dançarão as palavras no meio da noite.

É rigorosamente a meio da noite. No espaço fronteira entre a gaveta da memória que fechou mais um "resumo de 24 horas" passadas ao sol. E, o conturbado e difícil amanhecer...que dançarão quase todas as palavras.
Pelo menos aquelas, que poderão valer a pena dançar.
Coisas banais como ficar, perder, não querer, não saber...ignoram os acordes básicos de uma melodia simples.
São palavras postas nas prateleiras dos sonhos. Servem para enfeitar a vida  e construir castelos no ar. Temperam somente as recordações. Com gosto a canela, ou a sumo de limão.E vão colorindo o  passado. Mais, ou menos envergonhado, de um qualquer azul celestial.

As outras, as que sabem rodopiar...esperam sem pressas pelos primeiros acordes...

Uma estranha melodia repartirá as sílabas e desconstruirá as frases. Desalinhando os parágrafos e refazendo as figuras de estilo. Com acordes de aurora...
Ora pensadas, ora repentistas. Mas nunca esmagadas pelo peso do que não se consegue contar.
As palavras dancarão!
Apesar de todos os pontos de interrogação, com que enfeitámos previamente a almofada da nossa imaginação.
E quando vier a madrugada, já vão saber os passos certos, no alinhado certinho da métrica.
Entre um poema,
Cinzelado na  noite.
De breu e raiva,
de amor e céu.




4 comentários:

  1. Palavras com vida, que sabem o rumo a seguir, que enfeitam a vida e os sonhos...como e quando e que sabem dançar...

    Bendita desconstrução!

    Bjo

    Olinda

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Olinda.
    Descondtruir para poder dançar a compasso...

    ResponderEliminar
  3. George Sand,
    Um excelente casamento, este das palavras com a música para dançar. Tão parisiense!
    parabéns.
    Abraço!:)

    ResponderEliminar