Pesquisar no Blogue

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Sol entornado em quarto minguante



Foi o dia todo assim,  num destempero de gargalhadas. A pontilhar de prata o azul. A correr atrás das sombras, até as fazer corar.
Uma dança frenética de cores. Aqui e ali, adoçadas por gelados, desmaiados, nas mãos nuas, como se fosse mesmo verão.
Rimou com calor. 
Rimou com brincadeira. 
Rimou com faces afogueadas.
Ritmos coloridos num areal surpreso. De grãos, acordados à força.

Diz quem a viu, que passou o dia escondida. Acabrunhada, entre o último toldo, ainda por montar e, o paredão. Numa nesga  branca de quase nada. 
Uma pálida e esguia figura. A lembrar uma qualquer fatia de melão esquecida, da última estação... Debruçada sobre a sua própria sombra...numa nesga ínfima de luz. Nas mãos um copo. Um minúsculo copo, sem mais nada.

Passou o dia a passear. Em mangas de água morna. De braço dado, ora ao Suão, ora à à brisa alegre que vinha do mar.
Sorriu com os peixes. Apanhou conchas fechadas e, abriu-as com o olhar rasgado de luz .
Às mãos cheias distribuiu carícias...
Subiu alto. O mais alto que lhe foi possível, para poder acenar. 
Sem nenhuma discrição, fez despir os abafos, Descalçar as meias, que convidavam à transparência.

Jazia ali, num embalo próprio do tempo que não se mede, mas que se sabe que acontece. Os joelhos encostados ao queixo. Uma névoa a trespassar-lhe a alma, feita de restos de luar...

As horas passaram. Quem estava na praia, ainda, viu.
Ela levantou-se, frágil. Encheu o copo com os restos desse sol destemperado, num Inverno, rodopiante de luz. E, sem dizer nada, entornou-o, por cima do mar.
Subiu ligeira. E, lá está a balouçar, em quarto minguante...


8 comentários:

  1. Bom dia, George Sand

    Senti-me envolvida na magia deste texto, li-o com puro deleite,senti-me com um sorriso rasgado seguindo esse percurso que delineou de forma magistral. Fi-lo meu. Fiquei aqui a admirar esta conjunção perfeita: a lua, o sol e o seu talento.

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Olinda,

    O Sol e a Lua. Foram uma dança inesquecível nos quase eternos, dias de praia da minha adolescência...e é sempre bom, quando regressam. Sobretudo assim,inesperadamente, no meio do Inverno.
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  3. Bom dia!
    Foi um deleite lê-la,aliás como sempre!Gosto do Sol, gosto da Lua e gosto dos elementos.É a Natureza que nos envolve de uma vida em toda a sua pujança.A Lua Cheia, faz-me sonhar, talvez recordar outras luas cheias em que o luar se reflectia em toda a baía da minha cidade.A Lua por estes dias tinha um aspecto que me agrada mas que olho com algum respeito.É estranho o modo como se apresenta.Coisas minhas...rs.
    Um bjo

    ResponderEliminar
  4. Obrigada Concha.
    São de facto os dois elementos que nos regem o tempo...a lua e o sol. E as danças, de entre-tempos. Na riso aberto do sol e nos passos breves de luar.
    Toda a luz, para a sua cidade.
    Bj

    ResponderEliminar
  5. Uma descrição poética e que nos faz sentir esse fim de tarde tal como o sentiste.

    Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  6. mfc,

    Obrigada. Um bom fim de semana para si também.

    ResponderEliminar