sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Guarda chuva de abraços

  
Podias ter passado por cima de cada uma das gotas, que ecoavam, do último patamar da tua existência. Não fora dar-se o triste caso de teres nascido sem asas. Nenhumas asas. Nem daquelas, pequeninas, que nos embalam devagar, os  sonhos. E,  nos permitem fingir que voamos. Mesmo que seja só até ao cimo do quarto. No espaço de divisória da placa, aos pés do armário, repleto de recordações, dos vizinhos do quarto andar.
Foi por causa disso, que bordei, a tarde toda, um guarda chuva de abraços. Pequenos. Entrelaçados. Partindo do princípio que se sairias assim, sozinho, num dia de chuva, sem saberes voar, nunca mais te encontrarias.
Foi quase isso... A água que caiu toda a noite,  ensopou-te de tal forma os olhos, que de manhã, só por mero acaso, os encontrei.
Estavam vazios e meios desmaiados de luar. 
por cima, duas mãos estendidas, enrodilhadas nas linhas coloridas . Os nós desfeitos. O pontos perdidos.
O que restava do meu guarda-chuva...de abraços.


A fotografia é do fotógrafo Mário Castello



18 comentários:

  1. Um guarda-chuva muito bonito ... pena é instalar-se o silêncio.
    Bj.

    ResponderEliminar
  2. Mas que beleza de carta/poema !
    O grifo, com um guarda.chuva bordado de abraços, voaria até ao sem fim, Filipa !

    Um beijo bem merecido.

    ResponderEliminar
  3. Ana,

    Obrigada. Silêncio...e o meu também em relação a si e aos blogues que sigo. Mea culpa...alguma falta de tempo que será resolvida.
    Bj

    João Menéres,

    Muito obrigada pelo seu amável comentário. Gosto de pensar, que ainda são possíveis, guarda chuvas de abraços.
    Bj

    ResponderEliminar
  4. Triste ter-se nascido sem nenhumas asas, nem mesmo as dos sonhos.
    Bonito o seu texto.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente, tanta gente que nasce sem asas, nem mesmo as dos sonhos...obrigada Isbel

    ResponderEliminar
  6. texto-retrato com uma textura reconfortante, bonita perspectiva esta do guarda-chuva de abraços. eu gosto de abraços. trazem-nos um mundo de sensações, excelentes condutores de calor, calor humano. um guarda-chuva assim tecido, bordado, ponto a ponto, ganhará asas, podem ser de sonhos, que alimentam a alma.

    bj

    olinda

    ResponderEliminar
  7. Olinda,

    Abraços começam a ser raros. Pelo menos desses que se constroem, ponto por ponto.
    Infelizmente no texto, nem assim se ganhou asas...mas que se ganhem na nossa imaginação
    Obrigada
    Bj

    ResponderEliminar
  8. visiting from Turkey
    bom dia my friend

    http://laracroft3.skynetblogs.be
    http://lunatic.skynetblogs.be

    ResponderEliminar
  9. George Sand,
    Não me estava a referir a esse silêncio mas ao silêncio dos que têm asas e não podem voar... à tristeza dos olhos encharcados.
    Também me debato com esse problema:o tempo!:)
    Bj.

    ResponderEliminar
  10. ... belo guarda - chuva

    se for possível
    não resistir a um sopro de vento

    para voar

    ResponderEliminar
  11. Uma carta ou um texto poético cheio de ternura e beleza!
    Uma ternura por vezes doída... mas ainda assim ternura!
    beijinhos.

    ResponderEliminar
  12. Ana,


    Obrigada. Passarei amanha, sem falta e com algum tempo. Para poder ler com calma.
    Bj

    Mar Arável,

    O vento...nem sequer havia vento.
    obrigada

    mfc,

    A ternura é o que permanece. Pelo menos para quem não abdica dela. Pode-se ter ternura ou ser-se ternura. Uma palavra de que eu gosto, especialmente.
    Obrigada

    ResponderEliminar
  13. Um grande abraço pelo abrigo poético que encontro nas suas palavras, nestes dias de chuva criselina.

    bj
    João

    ResponderEliminar
  14. Obrigada João.
    Seja sempre bem vindo a este abrigo de palavras.
    Bj

    Filipa

    ResponderEliminar
  15. que belíssima prosa poética

    gostei muito.

    um beij

    ResponderEliminar
  16. Piedade Araújo Sol,
    Eu é que agradeço.
    Bj

    ResponderEliminar
  17. Creio que todos nascemos com essas asas pequeninas, mas por vezes esquecemo-nos de as usar, ou de como as usar...

    ResponderEliminar
  18. Isa Lisboa,

    É a sua leitura. É essa que importa. Gosto de tentar escrever assim...para vários possibilidades de leitura.
    Obrigada

    ResponderEliminar