Pesquisar no Blogue

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Loucos

(imagem do filme "Voando sobre um ninho de cucos" )


Loucos vimos ao mundo,
E loucos nos deixamos estar.
Mundo que roda sem nexo
E nada o pode parar.
Num eixo vê-se a inconstância,
A avareza e a luxúria,
Penduradas pela anca,
Ao manso corcel de um lampejo,
De quem não tem a certeza,
Nem nunca sabe de cor,
De quem não se passa por si,
Nem pesponta nada, de amor.
De quem numa bandeja se lava,
Em restos de razão maior,
E se vende à beira da estrada,
A quem lhe paga melhor.

Loucos vimos ao mundo,
E loucos, nos deixamos estar.
Sentados sem beira de nada,
Nem eira que nos faça vibrar.
Agarrados às bordas da vida,
Entornados num alguidar,
O que nos cabe afinal…
Dos donos do que resta aqui,
E que por serem reis deste mundo
E de tudo o que mais se avistar,
Só têm uma certeza:
Que nos mandam naufragar!

Loucos vimos ao mundo,
Tão loucos que de sermos tantos,
Fingimos ser sempre ser tão poucos,
Os mesmos…
Sempre os mesmos,
Loucos!

Filipa Vera Jardim


6 comentários:

  1. ~~~
    ~~~ «Loucos», um poema muito pertinente...
    ~ Anda a loucura - mais do que nunca - instalada
    ~~ a todos os níveis: nacional, europeu, mundial...

    Parabéns pela primorosa arte eloquente e satírica.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~~~ Dias felizes. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  2. lúcidos, que são os loucos!

    amei o poema.

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada herético! Tão lúcido e tantos...e parecem tão poucos.

      Eliminar
  3. Um filme excepcional, com uma interpretação soberba de Jack Nickholson
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Pedro Coimbra. Boa semana a Oriente!

      Eliminar