Pesquisar no Blogue

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Por onde me naufragar




Esperei que o rio me lavasse os sonhos.
O rio lavou-me todos os sonhos.
Lavou-me até o tempo, que eu esperei, para que o rio me lavasse os sonhos.
Lavou-me de cima abaixo o tempo, os sonhos, e o resto o rio deixou muito bem ensaboado.
Não fosse o rio, numa gargalhada a escorrer quase até ao final, tal a lonjura do mar… E eu não saberia sequer, por onde me naufragar.

10 comentários:

  1. no naufrágio nos salvamos, tantas vezes!

    ResponderEliminar
  2. O rio fez o que era esperado ser feito e permitiu-me a liberdade de naufragar...!

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. E pelo meio, caminhos. Tantos quantos os braços do rio. Obrigada Mar Arável.

      Eliminar
  4. Acredito que há sonhos que se renovam depois de lavados no rio. :)

    ResponderEliminar
  5. ~ ~ ~
    ~~~ Dramático, mas refrescante...

    ~ Criar espaço para novos sonhos.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~~~ Abraço amigo. ~~~
    ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar