Pesquisar no Blogue

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Em fissura de infinito



Desmembrei-me de todas as curvas da minha vida. Menos de uma: aquela que me pareceu revelar, lá bem no fundo, uma pequeníssima fissura de infinito…
Estreita, é certo. “Entre calada” de muito antes e de tanto porém. Mesmo assim, uma curva com uma pequeníssima fissura de infinito. Aconchegada ao canto supremo do olhar.
Sinfonia com a largura do tempo, pensei eu.
De todo o tempo, que um dia passará a correr, por dentro de mim.
De resto, nada mais haveria nessa paisagem. Feita de rectas. Absolutamente semibreves

10 comentários:

  1. Lindo: De todo o tempo, que um dia passará a correr, por dentro de mim!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não passa Thomas? Todos os dias, em rios de minutos...
      Obrigada

      Eliminar
  2. E no entanto, ali o mundo de todas as possibilidades...!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas as que se encontrem...nas curvas do infinito.
      Obrigada Concha

      Eliminar
  3. Muito bonita esta imagem escrita.
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  4. Belíssimo

    os seus vagarosos instantes

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De toas as curvas, que não têm um espaço definido
      Obrigada

      Eliminar
  5. uma pequeníssima fissura de infinito e o "big bang" explode...

    belíssimo.

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Explode sempre herético. Basta uma pequena fissura...
      Obrigada

      Eliminar