domingo, 14 de julho de 2019

Pudesse eu ser mulher




Deram-me o espaço e o tempo. E,  as portas abertas para lugar nenhum.
Deram-me janelas, completamente desertas.
Depois, deram-me as horas, todas as horas que eu quisesse, para poder pensar e  um rosto pálido, descolorido, de tanta ausência.

A espaços, cederam -me  bocadinhos de vida. Creio que de alguém…Nem eu sei.  
Eram retalhos coloridos que  encaixava, meticulosamente, entre os minutos de todas essas horas. A segundos, por vezes, das recordações.
Como se eu pudesse ter recordações…
Alegrias limitadas e consentidas por ora e,  permanentemente vigiadas.

Alguma vez, se assim fosse, eu começaria lentamente  a construir-me de coisa alguma.
 De sabor, de calor, de barro, de cor, de acontecimentos… Ah, nesse dia, eu saberia: seria então, mulher!
As minhas janelas teriam vista de horizonte. Seriam  janelas abertas para prados  de mar e lagos de erva-doce.
As minhas portas cheias de gente.
Um dia…pudesse eu ser mulher!

imagem: mural de rua na cidade de São Paulo, Brasil,  da autoria de Nina Pandolfo

Sem comentários:

Publicar um comentário