Pesquisar no Blogue

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

La mano








A terra era terra e a terra era pó.
Era de avidez de água,
De sombra e  limite.
A terra era terra.
Sempre,
Seguramente...
Só!



6 comentários:

  1. Respostas
    1. Os mitos vão-se reinventando Pedro.
      Bom fim de semana a Oriente!

      Eliminar
  2. Mas a criança quis ver se a terra tinha fim. E então, escalou o dedo apontado ao céu, firmou o olhar no longe, suspeitou da existência do horizonte e jurou que um dia, seria capaz de o alcançar, de o vencer e transpor. Bastava-lhe esperar pelo tempo e as mesmas velas que o empurram, levalo-iam a ele também, rumo ao infinito, rumo à conquista daquilo que ele ainda não sabe que não pode conquistar-se... o tempo!
    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mesmo tempo, que tantos anos depois,lhe escorrerá por entre os dedos.
      Obrigada Bartolomeu

      Eliminar