Pesquisar no Blogue

sábado, 31 de agosto de 2013

Emelin Requiem


Se descesse a noite, a noite seria um  único sopro. A rasar o  inequívoco.
Se raiasse o dia, o dia seria brisa mansa.
Ainda que chovesse, ainda que o vento se levantasse primeiro, na inversa proporção do teu sussurro - inaudível.
Nada mais haveria por contar, no mar vago das minhas imersas recordações.
O teu tempo Emelin, jazeria.  Pousado, no lugar de tudo o que se reconta. Sem futuro Emelin, sem futuro...

12 comentários: