Pesquisar no Blogue

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Que outra coisa, são as palavras?


Tinha-as contado de véspera: doze adjectivos, algumas preposições, um pacote inteiro de papel manteiga,  com os  cantos primorosamente  dobrados, de encontro aos verbos. Calculava que deveria ter os bastantes.
Faltava virem entregar-lhe as prometidas interjeições, mais logo, pela hora do almoço...


Que outra coisa, são as palavras, senão meras vírgulas, acotoveladas à existência?

21 comentários:

  1. Que outra coisa, serão as palavras...?
    Senão chaves. ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma hipótese Tiago, é sempre uma hipótese...mas há mais.
      Bj

      Eliminar
    2. Há sempre mais...
      Essa é a beleza e simultaneamente o mistério da infinitude.

      Eliminar
  2. Podem ser determinantes completamente indefinidos, Filipa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes são Paulo. As palavras e os silêncios que as amortalham: derminantes...e/ou completamente indefinidos.

      Eliminar
  3. Gostei deste brincar de palavras.
    Boa noite!:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom deixá-las escorregar assim, as palavras. Obrigada Ana

      Eliminar
  4. Fez-me lembrar as famosas sopas de letras da minha juventude

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais Pedro. Sopinhas de letras pela vida fora.

      Eliminar
  5. Contudo, somos incapazes de conceber a existência, sem a presença acotovelada das meras vírgulas. Cremos até, que no início tera sido somente o verbo e que este terá sido a ignição para o aparecimento da existência...
    Ora, que venham mazé as interjeições que começo a sentir alguma fome...
    ;9

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No início, o verbo, pleno.
      Virão, virão...
      Obrigada Bartolomeu

      Eliminar
  6. E no entanto são elas que definem uma existência,entrelaçando sentimentos e emoções que dançam sem parar até que o silêncio, o grande silêncio, lhes atribua um lugar talvez com o número sete.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sete, pode mesmo ser um número de excelência para acomodar o silêncio Concha. Bj

      Eliminar
  7. as palavras estão gastas, tens razão.
    e no entanto "no principio era o Verbo"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está lá sempre, o Verbo. Audível, mesmo que no silêncio.
      Obrigada Herético

      Eliminar
  8. Sempre bom ter palavras assim à mão! :)

    beijo, bom domingo

    ResponderEliminar