Pesquisar no Blogue

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

De costas, num instante, de memória


Havia mundo e havia caminho.
Havia tempo. Todo o tempo, menos aquele instante quase absurdo, em que tinha a certeza,  ela o amara.
Não sabia precisar se durante, se ainda, se quase sempre.
Virou-se de costa e esperou.
Os instantes regressam. Têm que regressar.  Mais não seja, pelas ondas ritmadas da memória.
Saberia chorar um oceano, se preciso fosse. Só por essas ondas, ritmadas, da memória.
Mas não prosseguiria, assim.



21 comentários:

  1. Bom dia,
    As metáforas registadas são belas!
    Gostei muito. Parabéns.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ana.
      A vida é feita de metáforas. umas registamos, outras não.

      Eliminar
  2. Pois é, o mar leva a memória, mas por vezes trá-la de volta...
    Que haja então sempre caminho, mundo e tempo!
    Gostei muito de ler, este instante.

    Beijos e um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. não sei se evocação ... se exorcismo.

    belo, sim!

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um exorcismo em evocação?
      Nuca me escrevo. Ou pelo menos, tento, nunca me escrever.
      Bj

      Eliminar
  4. Há instantes que quase valem uma vida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois há. Há instantes que valem uma vida. E outros que até velem duas.
      Bj

      Eliminar
  5. Tenho me reduzido a um silêncio, mais pelo encanto de ler e sentir, do que pela necessidade de dizer o que me cravou na alma, todavia contínuo a entrar sem pedir licença e a visitar,

    cumprimentos,
    JD

    P.S.: Atribuí-lhe a simbologia de um prémio lá no meu pequeno canto.

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigada James Dillon. E eu tenho escrito pouco, por aqui. Prometo que vou deixar mais.
    Já lá vou ver

    ResponderEliminar
  7. A tentar por a leitura em dia e deparo com metáforas que (me) espantam e...deliciam.

    ResponderEliminar
  8. Instantes que são momentos e que duram o tempo suficiente para fazerem a diferença e serem inesquecíveis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São as metáforas que abrem as portas do sonho e transformam instantes em eternidade.
      Obrigada

      Eliminar
    2. Ah as metáforas...cativam-me e mantêm-me aprisionada nessa liberdade de ...ser.

      Passei para ver se havia novos escritos :-)
      Beijinhos

      Eliminar
    3. Tem havido menos por aqui, é verdade...Voltarei à assiduidade :)
      Bj

      Eliminar
  9. Regressarei enquanto as ondas da memória me trouxerem boas lembranças destes pequenos doces escritos. Parabéns

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho escrito pouco, mas prometo que voltarei com mais assiduidade a este espaço.
      São as palavras que teimam em andar por aí.
      Obrigada

      Eliminar
  10. As ondas regressam sempre, às vezes lavam outras arranham.
    Beijinho e parabéns pelo texto.

    ResponderEliminar