Pesquisar no Blogue

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Na ombreira da sua existência

Poderia ficar assim, indefinidamente, encostado à ombreira da sua existência.
Uma porta entreaberta garantia-lhe alguma paisagem, do que fora, sem que os passos se afligissem  em demasia, na borda do degrau.
Lá dentro, os silêncios eram absolutamente  contornáveis.
Respiravam as janelas, ainda. Uma brisa esquecida, de ontem, no quarto dos fundos. De sempre, na sala que tinha ao canto a mesinha baixa,  com todos os retratos. Lembrava-se de cada um e, eram doze e mais oito.
Doze, do tempo que passara à justa, por sobre a felicidade.
Oito, na medida do esquecimento...
Garantiam-lhe todos os verbos, agora, que mais um passo naqueles degraus e haveria de ser diferente...

10 comentários:

  1. Nada a acrescentar, a não ser que continua a ser excelente poder lê-la.
    Bjo com gratidão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Concha. Espero que mais do que me ler, se leia.
      É uma escrita que não me pertence.
      Bj

      Eliminar
  2. Degrau a degrau

    um atrás dois em frente
    e por vezes parar
    para ver como se anda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca os percursos se fazem, delineados.
      Obrigada

      Eliminar
  3. Por vezes é mesmo nessa ombreira que nos sentamos. Gosto muito de ler estas tuas reflexões. Parabéns pelo blog e continua (que eu continuarei a ler :) )

    Beijo, bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Isa.
      Bj e bom fim de semana também para si.

      Eliminar
  4. Contudo, guarda o sujeito entre dois braços cruzados de adjectivos procurando, em vão, um complemento direto, um complemento indireto:
    O quê?
    A quem?


    Gostei muito. Os silêncios são mesmos contornáveis mas, por vezes, há que parar e escutá-los.
    Com um ramo de :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parar para contornar silêncios...é no fundo, dar-lhes voz. E muitas vezes os silêncios são interpelantes. Muito mais, do que as palavras.
      Obrigada, volte sempre.

      Eliminar