Pesquisar no Blogue

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Mundo, em trapos de volta redonda


 
Gostaria muito de perceber, onde estaria a bola, redonda de trapos.
Rodara meia vida e mais um tempo, por todos os cantos do quintal.
Um dia, sem nenhum desespero, foi-se...
Ninguém procurou. Nem sequer ninguém teria que procurar.
Ontem, era azul, cosida e recosida, em trapos de volta perfeita.
Hoje, seria certamente, qualquer outra.
O tempo deixara que todas as  perdas se fizessem. Que todas as angústias acontecessem.
No fundo da escada estava uma espécie de mundo redondo. Feito de bocadinhos de acontecimentos. Também eles, cosidos e recosidos.
Tão diferente, da velha bola de trapos...e apesar disso: a mesma.
Parecia-lhe agora que desaguava oceanos, de cada vez que a chutava, com muita mas muita força, para o fundo do quintal...

15 comentários:

  1. Quantos mundos se vêm assim, tão diferentes de outrora, chutados sem reparar sequer, para o fundo de um qualquer quintal....
    Um texto um pouco triste e melancólico, mas muito bem escrito, a puxar à reflexão!
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Só escrevo pelo pensamento e para o pensamento. Dos outros, que por aqui vão passando.
    Bj e obrigada Isa Lisboa

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Vale sempre a pena, pensar, quando a alma , não é pequena :)

      Eliminar
  4. Vale. Vale a pena, pelo menos, ir pensando...
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  5. George Sanda,
    Procure no fundo quintal. Ela está lá, apesar do seu disfarce.
    procure porque tal preciosidade não se pode perder nos chutos que se dão.
    Parabéns!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que está Ana. Adivinho-lhe as voltas, redondas. Mas gosto que sejam, também os outros a procurar.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Há alturas em que nos recordamos do que não quiséramos ter vivido... e que vivemos!

    Beijos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há muita opção à ..existência.
      Bj e obrigada

      Eliminar
  7. até as bolas de trapo refluem, quando jogadas...

    delicado texto. como quem vai cerzindo "bocados de acontecimentos.

    gostei muito

    ResponderEliminar
  8. Obrigada heretico.
    A vida é isso: pedaços de acontecimentos, cerzidos.

    ResponderEliminar

  9. A vida tão diferente nas suas várias fases e, no entanto, tão igual a si mesma.

    Bjo

    Olinda

    ResponderEliminar
  10. A vida tem tempos e ritmos precisos...
    Obrigada Olinda
    Bj

    ResponderEliminar