sábado, 19 de maio de 2012

Às vezes



Hoje, uma proposta diferente: o texto não é meu, é da minha filha
(tem 17 anos )


Às vezes ele olhava para o relógio: sabia perfeitamente a hora, apenas o fazia por hábito. Outras vezes, esquecia-se. Talvez fosse a recorrência da coisa que ele gostava: ou então, não o sabia bem, conscientemente. Outras vezes, olhava profundamente para o chão. Batia com o pé, o esquerdo, repetidamente. Murmurava palavras soltas, sem muito sentido, Talvez até formasse frases; ou pensamentos, eu nunca soube.
Escrevia lentamente, a letra cuidada, nunca rasgando o papel. Esse, entendia-o. Fora sempre o seu melhor amigo, o seu confidente. Sabia-o de cor.
Cansava-se, pousava a caneta. Essa, nunca dormia. Desejava um dia que ela adormecesse. Que não acordasse, não funcionasse, não tivesse o desejo de mais lhe pegar.
Desejava um dia ficar o papel, com a tinta corrida, a caneta ao lado adormecida. Desejava por fim que o papel acordasse do seu sono quase eterno, que falasse com ele, como se de música se tratasse, até que ele mesmo fechasse os olhos,  pousada a cabeça bem junto à caneta e,  adormecesse.

Inês V.  J. Galamba de Oliveira

25 comentários:

  1. Lá diz o ditado: "Quem sai aos seus..."

    A solidão da escrita.

    ResponderEliminar
  2. Que lindo, menina Inês, do princípio ao fim, com tudo o que é preciso.Excelentes companheiros, o papel e a caneta, e essa veia poética que lhe fica tão bem. :)

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Inês,
    Parabéns, gostei do seu texto. Se por vezes o papel falasse connosco seria uma alegria! :)
    Beijinho para a mãe e filha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ana.
      Vou publicando para incentivar a Inês :)

      Eliminar
  4. bonito texto, Inês... apesar da melancolia.

    beijinhos para a mãe e para a filhota

    ResponderEliminar
  5. "quem sai aos seus, não degenera..."

    gostei do texto.

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada em nome da mina filha. Ela depois lê todos os comentários, ma está em exames esta semana toda...
      Bj

      Eliminar
  6. Uma prova de que o talento se pode herdar!
    Uma boa forma de descrever a companhia que a escrita é!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talento não diria Isa. Muita gente tem a escrita por companhia. Mas a família é de escrita, sim. Obrigada.

      Eliminar
  7. Excelente!!!
    A prova de que "quem sai aos seus...."
    Bjs às duas e votos de boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Pedro e uma boa semana por aí nos Orientes :)
      Bj

      Eliminar
  8. Afinal os jovens ainda sabem escrever e dizer o que está para lá das palavras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. como em todas as gerações, os jovens escrevem, toam , pintam...

      Eliminar
  9. "Desejava por fim que o papel acordasse"
    Quando só há branco deseja-se isso muitas vezes.
    Se ao menos as canetas já tivessem palavras completas, em vez de letras...
    Gostei muito do texto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada em nome da Inês Luis Novaes Tito.
      O branco acompanha-nos a todos quantos gostamos das palavras e da arte. Inevitável.

      Eliminar
  10. Gostei mesmo muito do que li.É curioso,porque já tenho lido que os pintores retratam as imagens que têm gravadas e muitas vezes eles próprios, a mãe o pai...Aqui ao ler a sua filha F. V. J. consegui vê-la a si retratada no estilo.Parabéns ás duas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cocha, também é natural...e que não haja estilos definidos. São 17 anitos feitos há duas semanas...muita coisa ainda para procurar. Mas eu gosto de a ver procurar.
      Bj e obrigada

      Eliminar
  11. Também gostei ... e já vi que mãe e filha se parecem :)

    ResponderEliminar
  12. Um beijo para a Inês. Tal como a mãe, que só se deixe adormecer pela poesia.

    beijos
    João

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada João. Será entregue. (pelo menos gostava que ela continuasse a escrever...)
      Beijo

      Eliminar