Pesquisar no Blogue

sábado, 3 de março de 2012

Sonhos numa mala de couro, em Si menor


Queria  tanto guardar os sonhos numa mala de couro. Forte e robusta.
Queria tanto guardar os sonhos, numa mala de couro. Forte e  robusta, com uma pega sólida.
Queria tanto guardar os sonhos, numa mala de couro. Forte e robusta, com uma pega sólida e uma fechadura.
Queria tanto guardar os sonhos numa mala de couro. Forte e robusta. com uma pega sólida e uma fechadura. E se calhar,  numa outra mala, ainda.  Mais pequena, dentro da mala grande...os sonhos arrecadados aos pares, por forma a nunca mais, sequer, ousarem respirar.
Seguiria assim...em passos mudos e breves. Numa sinfonia de Si menor. Pela vida fora. 
O caminho: plano e pesado. Por força das malas de couro, das pegas, das fechaduras.
Um dia , por aí, podia guardar-se também a Si.
Esqueceria depois as malas num qualquer lugar...que nunca debaixo do sol. Que nunca, ao alcance do mar.
O sol, desbotaria as fechaduras. O mar, salgaria,  seguramente, o olhar.
Ninguém, absolutamente ninguém,  iria reparar...

32 comentários:

  1. Filipa

    És possuidora de uma enorme sensibilidade.
    Sinfonia em Lá maior, diria eu.

    Uma beleza TUDO.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Nessa mala, os sonhos estariam seguros... Mas será que é seguros que devem estar...? Ou livres, para serem sonhados...? :)
    Boa semana!

    ResponderEliminar
  3. Obrigada João Menéres,

    Bj :)

    Isa ;
    Os sonhos estariam seguros...o amr salgar-lhes-ia os olhos. E os olhos quando estão salgados, não estão livres, para voar.

    Obrigada e um bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. Ah os sonhos, essa matéria tão delicada!
    Texto bem engendrado, George Sand!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  5. Filipa

    Belíssimo texto! Mas confesso que todo o tempo queria soltá-los. Sonhos devem ser sonhados e realizados.
    Queria deixá-los voar, livres para se concretizarem.
    Desculpe a ousadia...
    Beijinhos

    Lucia

    ResponderEliminar
  6. AC,

    Obrigada
    Ainda bem que gostou :)


    Lucia Luz,

    A ideia foi um bocadinho, gerar essa sensação de claustrofobia no leitor...e depois que cada um sotasse as amarras que entendesse necessárias...:)

    ResponderEliminar
  7. George Sand:
    Eu guardaria os meus sonhos, num cofre de ferro, metia-os num grande baú de couro (Tudo fechado a chaves e cadeados,) usava um contentor atado por correntes, metia-o num barco e, no meio do mar, largava-o nas profundezas, ao som da marcha fúnebre de Chopin. Ninguém iria saber como e, o que sonhei. Seriam só meus
    Maria

    ResponderEliminar
  8. Maria,

    Uns querem soltá-los. Outros fechá-los...e neste caso,acompanhado com Chopin...
    O que interessa é que o texto , as malas e os sonhos, fazem quem os lê, reagir.
    Obrigada e volte sempre :)

    ResponderEliminar
  9. Pois eu não quero ter sonhos...são sempre irrealistas e irrealizáveis!

    Para quê enganar-nos? Já bem basta viver a vida com a dureza que ela tem e de vez em quando podermos ter algumas alegrias!

    Get real George! A vida não está para sonhos. Na morte, aí sim, tem-se paz e tanto faz sonhar-se ou não: é tudo um "non issue!

    ResponderEliminar
  10. Anónimo/a

    O texto trouxe-lhe a si a revolta.
    Faz parte dos sentimentos que nos acompanham a vida. E é quase sempre um bom sentimento.
    Ora dê lá dois murros bem dados nas malditas das malas de couro e rebente-lhes as fechaduras. Força!
    E deixe lá a a morte...aí manda ela e ninguém sabe se nos deixa dar uns murros valentes nos sonhos, nas malas e onde nos apetecer. Pode ser uma grande chata...a morte.
    Volte sempre. Gostei muito do seu comentário. Nem pense que estou a ser irónica...gostei mesmo!
    Obrigada!

    ResponderEliminar
  11. George Sand,
    Tão bela essa mala dentro de outra mala que guarda os sonhos.
    Também quero ter uma mala assim, de couro que não se estrague com o sal nem com o sol.
    Muito belo este texto.
    Beijinho e bons sonhos!

    ResponderEliminar
  12. Ana,

    Todos temos muitas malas e todos temos muitos sonhos. E, quando se estragam...a tendência é para arranjarmos outros. Mais ou menos à medida, da vida.
    Bj e obrigada

    ResponderEliminar
  13. Todos temos esses segredos que queremos guardados... e como dizia o Régio "há coisas que terei pudor de contar seja a quem for"!

    ResponderEliminar
  14. mfc,

    Sonhos guardados, não deixam de ser sonhos sonhados :)

    ResponderEliminar
  15. Guardaria todos os meus sonhos numa única mala,fechada a sete chaves.Cada uma das chaves corresponderia a uma única fechadura e daria acesso á seguinte.Todos eles são meus, muito meus e ajudaram-me a construir a minha vida, por isso tenho de os ter muito bem cuidados.Mesmo que nenhum se realizasse eles foram e são importantes, porque fazem parte de mim e é com carinho que os recordo.
    Bjo com votos de boa semana

    ResponderEliminar
  16. Concha,
    Pode levar as malas e as fechaduras.
    Arrumá-los criteriosamente e recordá-los, sempre que entenda.
    bj e uma boa semana também para si.
    Obrigada

    ResponderEliminar
  17. Gostei muito da sua resposta e não pude deixar de rir.É claro que os nossos sonhos nunca são só nossos porque num Universo em que tudo está interligado,eles também de algum modo fazem parte do que nos rodeia.A realidade é que nada nos pertence por completo.
    Muito obrigada, tudo de bom para si

    ResponderEliminar
  18. Concha,

    Tem toda a razão.
    E os sonhos ainda fazem rir...com fechaduras, malas, transbordo e tudo... pelos menos os sonhos...ainda fazem rir.

    ResponderEliminar
  19. Gosto da possibilidade de salgar os meus olhos. É a vida usando o seu freio para me dizer: paciência, não desista! Normalmente, depois disso, tenho um olhar mais límpido e os sonhos tornam-se mais realistas... Possíveis!

    Guardo-os - os sonhos - ainda hoje dentro de uma mala chamada esperança, que é para nunca esquecer que a vida é uma eterna roda gigante.

    Obrigada, por partilhar tão belo texto. Bjs

    ResponderEliminar
  20. Obrigada eu Julieta pela sua leitura.
    Foi um texto que motivou várias leituras. É exactemente isso que eu pretendo com a minha escrita.: textos abertos à Vossa/do leitor, imaginação.
    Obrigada
    Bj

    ResponderEliminar
  21. Yesss George...A vida é uma sinfonia e os sonhos são os compassos que marcam o rítmo dessa sinfonia.
    Mas, é-nos dada a possibilidade de sermos os compositores da melodia e de escolher o compasso que achamos mais adequado. Tu, escolhes o compasso binário, arrecadando os sonhos aos pares... bonita imágem. Sobretudo se pensarmos que aos pares, poderão dançar ao som da melodia que fores compondo ao longo desse caminho. E... como sabes, várias composições musicais, utilizam o compasso binário; o Samba, o Fado, a Bossa Nova... eu, aprecio a Bossa Nova e tu?
    http://www.youtube.com/watch?v=Hfo6glc7o5c&feature=related
    ;)

    ResponderEliminar
  22. Bartolomeu,

    Sempre actual e bonita a música do Caetano. Como todos os compassos binários da Bossa Nova e do Fado. Sobretudo destes. (do samba menos)
    E a vida em sinfonia de sonhos. Se possível, dançados!
    Obrigada

    ResponderEliminar
  23. ... entretanto ando na vida a construir sonhos

    a partilhá-los

    com os pássaros que gostam de escarpas
    portas abertas janelas escancaradas

    Um dia destes vou comprar uma mala

    ResponderEliminar
  24. Há sempre alguém que repara... sempre!

    beijos

    ResponderEliminar
  25. guardar sonhos, como quem cultiva jardins secretos...

    belíssimo texto.

    beijo

    ResponderEliminar
  26. Mar Arável,

    A ideia de construir os sonhos é boa. A mala eu cedo :)

    Pearl,

    Será? Os sonhos o dirão...
    Bj

    Heretico,

    Guardar sonhos como quem guarda jardins secretos...não tinha pensado niso...as sementes dos sonhos
    Obrigada

    ResponderEliminar
  27. Grande momento para refletir...


    Obrigada, querida George.


    Beijos.Me

    ResponderEliminar
  28. um belissímo texto que nos fala de sonhos.
    já escrevi sobre sonhos e retenho uma frase minha que vou deixar aqui
    "podem matar-se os sonhos mas nunca as recordações"
    e é tâo bom sonhar.
    um beijo
    obrigada|

    ResponderEliminar
  29. Obrigada Piedade. É bom sohar e tentar realizar os sonhos.

    ResponderEliminar
  30. Não... não devíamos esquecer os nossos sonhos por aí, mesmo arrumados numa mala de couro. :)

    ResponderEliminar
  31. Luísa,

    Nunca devemos esquecer os sonhos. Eles fazem parte de nós.
    Obrigada :)

    ResponderEliminar