Pesquisar no Blogue

quinta-feira, 15 de março de 2012

Paisagens descoloridas, sem tempo de recordação

 
Todos os dias desapareciam paisagens e lugares.
O tempo das recordações esmorecia, com a falta de pouso.
No jardim, mesmo em frente, restava um único banco para acomodar o resto do  horizonte.
O vazio, crescia  e com ele o silêncio. Descolorido e generoso. Na quietude mansa, das coisas que não se renovam. Do tempo que nem acontece.

Podiam abrir-se as janelas que davam para o mar e não encontrar sequer  vestígios de água. Nem os areais, os muros brancos (seriam brancos? ) junto ao cais. Ou um voo de pássaros, adornado, à rota do esquecimento.

Destemperado, rodava agora o mundo. Sem espaço para se perder na curva abraçada de nenhures.
Entre o lado de cá e o lado de lá, um abismo, requisito de  sombras, que paulatinamente substituíam sem dó os lugares,  e os esvaziavam do acontecido.

Nunca mais se pintaria nada,  com as mesmas dores...
Seriam nuances de paletas, quase impossíveis, a sugerir agora, as poucas recordações. E o luar, manchado de ausência.. E as estrelas, despidas de luz...

(a fotografia é do fotógrafo Mário Castello)



15 comentários:

  1. Deve ser assim o desaparecimento da memória... sem a qual pouco somos!

    ResponderEliminar
  2. mfc,
    Desaparecer a memória ou a esperança...terrível.
    Obrigada

    ResponderEliminar
  3. As sombras são sempre as memórias mais difíceis de perder, assaltam-nos quando tudo parece tranquilo.
    Parabéns pela beleza do texto.
    Beijinho. :)

    ResponderEliminar
  4. As sombras farão sempre parte da paisagem.
    Obrigada Ana
    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Um deserto? Um tempo sem cores, sem sons...sem vida? À luz contrapõe-se a sombra, ao som o silêncio; a tese e a antítese.
    Contudo aqui há o vazio e o silêncio.'Descolorido e generoso'.
    Este tempo, este silêncio, este vazio não passarão de imagens apreendidas num passado perdido no próprio tempo?

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
  6. As cores nunca são as mesmas. Nem as sombras.

    ResponderEliminar
  7. Conheço um rio
    com uma ponte
    de lá para cá
    e de cá para lá

    e acho bem
    quando alguém passa
    por sobre as águas

    Bjs

    ResponderEliminar
  8. A fotografia é bonita, mas a prosa não é inferior.

    Um abraço,

    m

    ResponderEliminar
  9. Olinda,

    Pode ser que sim. Que não passe de um tempo perdido...que as minhas palavras descoloriram, para o seu silêncio o pintar. Em branduras de arco-íris...
    Bj

    CNS,

    Serão como quiser que sejam :)

    Mar Arável,

    Conheço uma ponte
    Por cima da minha ousadia.
    E um voo
    De alcance ainda maior...
    :)

    Obrigada M,pela visita. Ainda bem que gostou destas palavras escorregadas. É um estímulo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Ao fixar os olhos no céu azul da foto, acabei por encontrar a cor. Quase pude ver o movimento das nuvens.
    No texto acabei por cair no abismo da falta de esperança, na ausência de tudo o que conhecemos ou aprendemos...naquilo em que o mundo se tornou. "Nunca mais se pintaria nada, com as mesmas dores..."
    Gostei bastante.

    Sónia

    ResponderEliminar
  11. Sónia M.

    Gosto que goste.
    Volte sempre e traga essa paleta de palavras. Os meus textos estão sempre abertos a pinceladas:)

    ResponderEliminar
  12. Gostei muito deste texto, transportou-me para um local melancólico, mas que sinto que pode ser real....

    ResponderEliminar
  13. Isa Lisboa,

    Os lugares, ainda que na minha imaginação... e no seu seu espaço, que se deixam construir. Claro que é real!
    Obrigada

    ResponderEliminar