Pesquisar no Blogue

sábado, 23 de junho de 2012

Ponto Cardeal


 Acostou devagar os olhos, à linha do horizonte.
Um cotovelo apoiado num fim de sol, que teimava em escorregar para o outro lado, sempre que as palavras prenunciavam planura.
Não havia assim tanto para contar, de uma vida entre-cruzada de mares. Sempre e só, entre-cruzada de mares.
Numa ocasião, fora o Pacífico, que lhe aplacara por algum tempo, a fúria. Apenas o necessário ao retempero do desejo.
Nem sempre sobrevivera bem às ondas. Tinha disso, consciência plena.O movimento era sempre contrário à entrega. E nada restava no final das marés: nem conchas, nem estrelas, nem búzios, dos que ainda sabem escutar .
Sucediam-se as preias, às baixas de mar. Sempre com origem numa tocata e fuga, em Dó menor,  que sabia de cor. E pelo que acabou por se entender, lhe pertencia quase por inteiro.
Ao  lavar-se de alma,  o recomeçar, num outro oceano. O que equivalia, na prática a reconstruir de novo, com a angústia de poder perder, mais uma vez,  o seu único sextante.
Não sei porquê, deixou-se guiar, ali mesmo por uma bússola desmagnetizada. Só a pensar que  sem estrelas, nem caminhos traçados,  quem sabe, encontraria então,  o seu ponto cardeal.
Oxalá!

20 comentários:

  1. às vezes acontece...

    beijinhos Filipa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ás vezes acontece...é isso mesmo Luís.
      Beijinho para ti e obrigada.

      Eliminar
  2. À procura do ponto cardeal, vêem-se suceder fins de sol a nasceres de lua, voa-se de mar em mar, cortam-se ondas numa ânsia do encontro com talvez alguma concha que acolha ou mesmo algum búzio que saiba cantar a canção de todas as canções.O mar leva e traz o que sempre esteve ali à distãncia de um Si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente.
      O mar leva e traz, em cadência ritmada...mas há sempre, uma sétima onda.
      Bj e obrigada Concha

      Eliminar
  3. O movimento do mar como o fluir da vida :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o movimento da vida, na respiração do mar.
      Obrigada Luisa

      Eliminar
  4. Que doença esta de sempre precisarmos de nos situarmos e não apenas viver a vida pela vida com quem amamos?!
    Somos mesmo bichos complicadinhos...
    Beijinhos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São fases complicadinhas, de oceanos. E fases mais bradas,em mares interiores.
      Bj e obrigada

      Eliminar
  5. Oxalá
    a Filipa nunca perca esta garra
    texto que nos agarra
    nos range
    "à distância de um Si"
    oxalá

    Até breve.Oxalá.

    ResponderEliminar
  6. O mar tem sempre razão. o melhor é deixarmo-nos levar nas ondas com os olhos postos no nosso ponto cardeal.
    Bonito.
    beijinho. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom sermos levados nas ondas...com os olhos postos no nosso ponto cardeal.
      Obrigada.
      Bj

      Eliminar
  7. sedutor o deambular sem bússula...
    e recolher nas marés o reflexo das estrelas.

    texto muito belo

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada heretico.
      A beleza é um sal da vida...entre vários
      Bj

      Eliminar
  8. Há quem rume contra marés

    se interrogue
    e nos interrogue

    mas também há quem prefira viajar
    à bolina

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São sempre mais duras as questões, mas mais gratificantes, também.
      Viajar à bolina...
      Bj e obrigada

      Eliminar
  9. Bela composição, reflexos, flexos e amplexos. Não interessa o fim mas a viagem, alguém já disse isto, não sei quem, mas parece-me adequado. Muito bom. Parabens, pela foto também, da minha terra amada.

    ResponderEliminar
  10. Obrigada Carlos Ramos.
    Tem a sua terra, um dos melhores restaurantes..com uma vista soberba. E é sempre um bom ponto de parrida.
    obrigada

    ResponderEliminar