Pesquisar no Blogue

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Consciência em silêncio, no tempo, do teu coração


Acontecia deitar-se sem se escutar.
Passar todas as vinte e quatro horas, de silêncio absoluto.
Acontecia muitas vezes, deitar-se sem  se escutar. Não porque fosse uma escolha.
Sabia  perfeitamente, que não era uma escolha.
Deitar-se-ia , assim, numa sepulcral ausência de Si. Sem nenhuma  alternativa.
Nem o velho gira discos, que encostara permanentemente, à sua breve história, lhe serviria de alternativa.

Depois de um ou dois dias, era preciso sentar a consciência, no ramo mais alto e deixá-la livre.
O Eco, tomado a pulso, de dentro do peito como um uivo, cederia então, ao ar.
Se o calor da tarde o permitia, subiriam em espiral , os devaneios. Todos os devaneios. Aqueles que se esperam. e os outros:  os que se inventam.
Nos dias de inverno, cairiam como flocos, pegajosos e frios,  as questões.
-Deixa-me que te pergunte!
-Deixa-me que te pergunte a ti, que és parte intrínseca de mim: o que fizeste da ausência?  Essa, que não te permite, agora, sequer, escutar-te?
Onde perdeste tu a distância precisa, entre o  movimento de quem anda e, o  movimento de quem se contempla?
Não fora a consciência, sentada em cima, e nem um suspiro se ouviria mais. No tempo, todo do teu  coração...



16 comentários:

  1. MARAVILHOSA! ENGENHOSA PROSA POÉTICA QUE ME TRANSPORTOU AO CUME,AO ÁPICE,ONDE MORAM OS SONHOS! AMEI!

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Marcia
    Gosto que tenha gostado.

    ResponderEliminar
  3. O silêncio deve permitir que a consciência se sente bem no cimo da árvore, porque só assim ela será totalmente livre,podendo voar tranquilamente pelo mundo fantástico dos sonhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até ao fundo de nós mesmos. Lá,onde a fabrica do onírico, trabalha incessantemente.
      Obrigada Concha.
      Bj

      Eliminar
  4. Parabéns! Gostei deste encontro com o silêncio e a consciência.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um encontro que me é tão necessário.
      obrigada.
      Beijinho

      Eliminar
  5. O que fazemos, de facto da ausência...?
    Uma boa reflexão, com perguntas que nos devemos fazer!
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Usa.
      Podemos em alguns casos, tentar tornar presente, a ausência.
      Bj

      Eliminar
  6. Nunca deveríamos permitir a ausência de nós!
    Não temos o direito de nos negarmos...
    Uma alegoria que nos questiona e inquieta.

    Beijos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca nos podemos ausentar de nós. Sob pena de perdermos a face, no processo.
      Obrigada. talvez esteja aqui um tema...
      bj

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Diálogos de espelhos, com intermediário de consciência.
      Obrigada

      Eliminar
  8. Talvez o silêncio seja
    "... a distância precisa, entre o movimento de quem anda e, o movimento de quem se contempla..."

    Num todo reflexivo e profundo,
    retive em especial essa poderosa e belíssima conjugação.

    Bjo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um movimento que necessita obrigatoriamente do outro.
      Obrigada
      Bj

      Eliminar
  9. Você nem sabe pôr as vírgulas, para não falar do resto.
    Dedique-se ao escabeche.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de cozinhar, sim.
      E compreendo perfeitamente o seu ponto de vista. Só há um ponto de vista, para alguém se dar ao incómodo, de comentar, o que não gosta.
      Volte sempre! Faz-lhe bem!

      Eliminar