terça-feira, 10 de abril de 2012

Rostos etiquetados







Acordara pasmado!
O rosto ansioso de ontem,  enrolado na camisa, já levemente desbotado, olhava-o ainda, da "senhorinha", aos pés da cama.
Seria assim, hoje, entre espantos e exclamações, que encararia o mundo.
Nunca escolhia os rostos. Limitavam-se a aparecer-lhe,  largados, sem presas, pelo luar, que nasce quase sempre semi oculto.
Eram rostos de angústia, de medo, de assombrosa felicidade. Ou tão só retratos, debruçados, da própria vida.
Nada fazia prever face alguma. Nem sequer os olhares embaciados  pelo sono, do dia que passara.
Vestia-se de rostos como quem se veste de si.
Despia-se de rostos como quem se despe de alguém.
Fora sempre assim. E, de segunda a sexta feira.
 Rostos de medo e de ausência - que demoravam mais tempo a desnudar, é certo- intercalados com  faces absurdamente efusivas, a darem lugar, num outro dia qualquer,  a um semblante carregado.
Desde que o tempo, se moldara, perfeito, à sua existência...

Raramente arrumava  os rostos durante a semana. Não havia porquê, demorar-se em  faces usadas, que exigiam catalogação exaustiva e eficiente.
Melhor a espera, de noites inteiras, sem nenhuma expressão.

Ao sábado, levantava-se numa total ausência de personalidade. Nem um breve olhar, a denunciar a alma.
Seguia directo para o escritório-mais-que-mudo, no fundo do corredor. Portas meias com um pequeno quarto de costura, onde  ainda tentara, em vão, alinhavar silêncios no canto dos olhos. E,  pespontar sorrisos, sempre que os não havia.
Pegava primeiro na segunda feira e reconstruía então, criteriosamente,  toda a sua  paisagem.
No fim do dia, um arquivo de sombras, preencher-lhe-ia o tão almejado final da semana em  ausência. Com todos os  rostos, devidamente, etiquetados.

33 comentários:

  1. Respostas
    1. Pois, este é um bocadinho mais duro...
      Obrigada Rita

      Eliminar
  2. Rostos etiquetados ocultam as dores da alma... Somos nós, cheias de disfarces, colocando as máscaras no rosto para preservar a alma desse palco que é a vida.

    Obrigada, pela partilha. Você tece as palavras com a delicadeza de uma artesã que se dedica ao seu ofício de maneira magistral. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Julieta.
      Vou costurando as palavras, mas deixando sempre os silêncios que permitem o complemento e enriquecimento, de comentários como o seu. Neste imenso palco, que é a vida!

      Eliminar
  3. George Sand,
    Apresenta um texto pungente, interessantíssimo.
    Etiquetados... o que conta nesta realidade neo-liberal em que nos encontramos.
    Gostei da do desenvolvimento da escrita, do pensamento encadeado e a fotografia está muito bem escolhida.
    Máscaras um outro título possível.
    Beijinho e um bom dia! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana,

      Pensei em máscaras, mas as etiquetas dão-lhe esse cunho de inevitabilidade de que fala...
      Muito obrigada.
      Um beijinho e um bom dia para si

      Eliminar
  4. Era actor de teatro e participava na peça «As Diferentes Faces da Vida» ?
    ;)
    Porreiro, este texto, como a totalidade dos que estão antes... ou será, dos que virão a seguir?
    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bartolomeu,

      Os textos escolhem aparecer. Nas tonalidades que se vão impondo.
      Ainda bem que gostou.
      Obrigada :)

      Eliminar
  5. E há vidas assim, sem hipótese alguma de fugirem do rodopio da dança da vida, não lhes permitindo ainda que seja numa fracção do segundo um pequeno deslize que as conduza a outros bailados, a outras coreografias a outras máscaras mais alegres e adequadas à sua condição humana.
    Beijinho Filipa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concha,

      Vidas que repetem os mesmos passos, os mesmos ritmos e nem ao fim de semana se separam dos rostos que lhes são impostos.
      Bj e obrigada

      Eliminar
  6. O pensamento, por vezes, mata-nos. Não é a vida, somos nós. Precisamos de fingir que sabemos o que somos, quem somos, por que somos. Etiquetamos os outros para sabermos o que não somos. Mas no fundo somos as etiquetas que colocamos nos outros e os outros a nossa máscara.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez por isso, seja preciso, também a ausência. O espaço necessário ao distanciamento.Um rosto livre de "personalidade/s", mesmo que aos sábados...e quase junto ao quarto de costura, inútil.
      Obrigada pelo seu comentário João Raposo.

      Eliminar
  7. Na realidade
    a ficção
    de corpo quase inteira

    ResponderEliminar
  8. As valsas do real, em passos de imaginário....
    obrigada :)

    ResponderEliminar
  9. Excelente texto! Um retrato fiel de alguns rostos...

    ResponderEliminar
  10. Uma ficção bem real, quase palpável.
    Um viver em si mesmo rodeado de todos, mas alheia a todos, porque eles se alhearam dela...
    Uma análise linda e tão..tão bem escrita.
    Beijos,

    NOTA – Tens um verificador de palavras que não serve de nada e é chato para quem comenta. É fácil desactivá-lo, basta percorreres este caminho. Obrigado.
    CONFIGURAÇÕES
    POSTAGENS E COMENTÁRIOS
    MODERAÇÃO DE COMENTÁRIOS: SEMPRE
    MOSTRAR VERIFICAÇÃO DE PALAVRAS: NÃO
    SALVAR CONFIGURAÇÕES

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma boa análise :)
      Obrigada.
      Os moderadores de palavras são horríveis. Não fazia ideia que se podiam desactivar. Vou tentar (sou um zero a informática)seguir esses passos. Obrigada!
      Bj

      Eliminar
  11. De tão abstrato, de tão real é mesmo assim!


    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai sendo assim Pearl...e amanhã um rosto de domingo para arquivar :)
      Obrigada

      Eliminar
  12. E como é que cada um de nós gere os seus rostos? No que me toca acho-me um bocado desorganizada... não tenho muito cuidado com eles e muito menos controlo... Fazem de mim o que querem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos tentando arquivar...mais não seja na memória...
      Obrigada Luisa.
      Bj

      Eliminar
  13. tanta gente do nada, tanto nada de gente.

    beijinhos Filipa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lindo Luís! Gostei do nada de gente...e do gente, de nada...com rostos de coisa nenhuma.
      Obrigada.
      Bj

      Eliminar
  14. mil rostos... mil momentos... mil descobertas...
    "um, nenhum e cem mil", como no Pirandello?
    Fuga ou dor?
    Realidade dura que nos perpetua na dúvida do que somos e nem sempre entendemos?
    ...ou dor de se desejar igual, o mesmo, quando somos tantos... que muitos que não entendem, nem perdoam...
    Que bonito texto!!! Como todos os outros.
    Obrigada
    Isabel

    ResponderEliminar
  15. Tudo isso Isabel,

    em cada dia que passa,
    em cada rosto que nos assola
    Numa expressão que nos devassa
    E ainda,
    Nos consola.

    Obrigada eu e volte sempre! :)

    ResponderEliminar
  16. As máscaras e os rostos. Muito bom.

    ResponderEliminar
  17. Os rostos e as máscaras. Muito bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei muito dos dois comentários. Por um lado os rostos a que se põe máscaras. Por outro as máscaras, onde se colocam, rostos.
      Duas realidades.:)
      Obrigada

      Eliminar