Pesquisar no Blogue

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Rocha de Fogo




Houve um tempo, em que os abracei a todos: os quatro elementos.
O tempo da pedra intacta. Corpo esculpido em rocha e, âmago, vestido de fogo.
E a tormenta do vento, a trazer-me memórias agasalhadas de tanta água. Sempre e cada vez mais água, para encher de pleno todas as marés.
Impossível bradar agora.
O fogo, desfez-se na espuma, entre os dedos dos meus pés .E o vento, esse, foi-se! A soltar gargalhadas.
Levou com ele quantas falanges pôde. De mim, que da pedra, me tornarei, ao pó.

Fotografia do Pedro Soares de Mello

20 comentários:

  1. Respostas
    1. Seja a rocha de que tamanho for.
      Bj e obrigada Olinda

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Em marés de luar que nos envolvem os passos
      Obrigada Mar Arável

      Eliminar
  3. Enquanto não se é pó, seja-se fogo!

    Beijinhos Marianos! :)

    ResponderEliminar
  4. E água e vento
    E terra que nos dá o poiso
    Ao fogo do nosso alento.

    Bj e obrigada Maria

    ResponderEliminar
  5. "O tempo da pedra intacta."

    Gostei muito de todo o texto.

    ResponderEliminar
  6. ...ao pó...
    Não há como escapar.

    Gostei muito.
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não Sónia...o pó está sempre presente em cada um e em todos.
      Obrigada
      Bj

      Eliminar
  7. indeléveis os passos - na pedra!...

    e o cálido fogo - no arrepio da pele!...

    (antes do pó)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o contínuo vai e vem da água, que nos acompanha os passos.
      obrigada Heretico

      Eliminar
  8. estrelas do mar que o céu reclama.
    belo texto
    Feliz 2014

    ResponderEliminar
  9. Que o novo ano lhe seja leve e feliz.

    Beijo

    Sónia

    ResponderEliminar
  10. As pedras duram e brilham! São para sempre,. como os diamantes! Um Bom Ano!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Algumas sim MJ Falcão. Outras desfazem-se em pó.
      Bj e bom ano!

      Eliminar
  11. Somos os quatro elementos e mais um feito em dois: a memória que os captura e a memória que os solta. Bonito apontamento, Filipa.

    Beijinhos, Bom 2014!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Paulo.
      Seguimos em 2014 com a memória que os deixa soltos, a eles que se querem cativos.
      Bj e um bom ano!

      Eliminar