Pesquisar no Blogue

sábado, 18 de julho de 2015

Senti-me gota



Nasci em rio e riso. A correr de margem em margem.
Sorviam-se os olhos aquosos,  à passagem célere.
Sabia-me tanto a fresco.
Debrucei-me...e vi-me enroscada no caudal. Aconchegante.
A viagem, espiralou-se, até  onde me parecia que  infinito podia esconder-se todo, num único copo transparente.
Sem querer, escorreguei pela canto de uma boca...e senti-me gota.

sábado, 11 de julho de 2015

Maratona Poética - S. Tomé e Príncipe


Com todo o gosto aceitei o desafio - Maratona poética dedicada a São Tomé e Príncipe, amanhã na Casa Internacional de São Tomé e Príncipe.

São Martinho do Porto. Momentos...



«São Martinho do Porto - Momentos...», de Filipa Vera Jardim e Pedro Soares de Mello
«De vez em quando, o apelo do mar era mais forte. Do mar a sério, de cabelo...s ondulados e voz cheia. Não desta mansidão, embalada em concha. Subíamos as dunas ou corríamos até ao fundo do túnel… e era ali que o horizonte se entrecortava por uma ou outra embarcação, dessas que saíam num bordo mais largo, para logo voltarem ao ventre. Ou das outras, que mais longe rumavam a porto incerto. De cada um dos lados, um altar de pedras. À direita, António, padroeiro, exangue. Peito aberto a todas as marés, sem excepção, que lhe roubavam o já ínfimo espaço. À esquerda, Romeu, o viajante, a atravessar-nos os dias de marés que ora rolavam por cima dos seixos, ora se nos enrolavam nas pernas com limos grossos. Do tamanho de árvores, dizia-se, presas num fundo de jardim sem nome. Do padroeiro, António, com altar definido, sabia-se quase tudo. Primeiro, mais acima, na capelinha caiada; depois, ali, onde outrora houvera um outro areal. Desse Romeu, de Julieta errante, pouco se saberia…»